A mistura da tecnologia com o mundo real é algo que fomenta o imaginário do ser humano há décadas. Com a realidade aumentada, foi possível extrapolar os limites da imaginação e, de fato, se encontrar em um cenário modificado pelos aspectos tecnológicos, como se estivéssemos dentro de um filme de ficção científica.

Já imaginou, por exemplo, fazer testes para a montagem de quadros elétricos, sem ao menos precisar tocar nos componentes de distribuição energética? 

Além de evitar possíveis acidentes com eletricidade, essa situação permite enxergar muito além do real – daí o termo, “realidade aumentada”.

Por conta do amplo crescimento das tecnologias, bem como das ferramentas de realidade aumentada, a inovação está presente em vários segmentos, especialmente na arquitetura.

Neste artigo, vamos explicar melhor sobre a tendência, mostrar como utilizá-la e as vantagens da realidade aumentada para os arquitetos.

Quer saber mais? Acompanhe o nosso conteúdo!

Mas, afinal, o que é realidade aumentada?

A realidade aumentada refere-se a um ambiente de imersão, criado por meio de ferramentas computacionais e gráficas, no qual o usuário se sente parte de um cenário, voltado para a criação de determinadas tarefas.

Por exemplo, na elaboração do laudo SPDA, contra descargas atmosféricas, pode-se utilizar a realidade aumentada para simular possíveis situações que poderiam causar acidentes, caso não tivesse o para-raios.

Isso quer dizer que o principal objetivo da realidade aumentada é proporcionar conhecimento imediato sobre o mundo ao redor. 

Para isso, são utilizados cenários hipotéticos e virtuais para imergir os usuários dentro de uma determinada situação.

Vale destacar que a ferramenta originou-se com os famosos QR Codes. Assim, por meio de códigos, era possível levar às pessoas até outros ambientes, apenas com o posicionamento de câmera.

Hoje em dia, a realidade aumentada é vista em jogos, projetos, softwares inteligentes e por meio de aplicativos, que podem ser instalados nos dispositivos móveis (celulares e tablets).

Por conta disso, a tecnologia é cada vez mais frequente, deixando de ser apenas algo da nossa imaginação, para tornar-se comum em nosso dia a dia.

Afinal, imagine ver o resultado de um serviço de corte a laser antes mesmo do procedimento ser finalizado? Essa é uma das grandes vantagens da realidade aumentada!

Realidade aumentada - Aquecenorte

Veja como a realidade Aumentada pode ser usada pelos arquitetos! [COM EXEMPLOS]

A realidade aumentada na arquitetura é uma maneira de mesclar o ambiente físico e o virtual, por meio de programas inteligentes e aplicativos relativamente simples. 

O principal objetivo da técnica é melhorar a capacidade de projeção da realidade e antecipar possíveis resultados finais.

Por exemplo, em um projeto de arquitetura feito com realidade aumentada, pode-se perceber o local correto de instalação das estacas escavadas, em um protótipo em 3D virtual. 

Desse modo, é possível navegar por dentro do projeto, sem ter que realizar a atividade para detectar erros.

Além de reduzir o número de falhas nos projetos arquitetônicos, a realidade aumentada também contribui para:

  • Enaltecer o projeto de arquitetura;
  • Valorizar o trabalho do arquiteto;
  • Despertar o interesse dos clientes;
  • Elaborar projetos mais complexos;
  • Inovar no desenvolvimento de desenhos;
  • Facilitar o trabalho do arquiteto.

Portanto, muito mais do que simplesmente inovar, a realidade aumentada é uma maneira de agregar valor ao trabalho dos arquitetos.

Realidade aumentada - Aquecenorte

1 – Óculos de realidade aumentada para os clientes

A realidade aumentada é capaz de despertar sensações e percepções, tudo por meio da tecnologia.

Quando falamos de trabalhos em arquitetura, muitas vezes, estamos lidando com a construção de uma casa, ou de um espaço comercial importante para o cliente, visto que esse pode ser o investimento de toda uma vida.

Sendo assim, nada melhor que dar aquele “gostinho”, como se os compradores já estivessem dentro dos imóveis. Isso é possível com o uso de óculos de realidade aumentada.

Esse sistema viabiliza que o cliente experimente sensorialmente o projeto, antes mesmo das obras começarem. 

Dessa forma, o usuário pode perceber os mínimos detalhes, como a presença de uma plataforma para cadeirante no projeto do escritório, ou desenho inovador do banheiro da casa.

Além disso, a possibilidade de andar e vivenciar o ambiente facilita a visualização do imóvel pelo cliente.

Do mesmo modo, outros artigos escolhidos pelo arquiteto, como a composição de revestimentos, a decoração do interior, a recomendação de móveis, entre outros itens, podem ser observados.

Isso também colabora no diálogo entre as partes. Por exemplo, se o cliente não gostou do efeito de uma chapa de ACM preço diferenciado no projeto da empresa, ele pode solicitar uma alteração ao arquiteto.

O óculos de realidade aumentada também permite simular a interação da obra com o entorno, ainda mais quando um determinado projeto gera impactos na vizinhança.

2. Projetos de arquitetura em 3D Virtual

Muitas pessoas devem se lembrar das tradicionais maquetes, usadas como protótipo de um determinado projeto, especialmente em edificações e casas.

Não é de hoje que as maquetes fazem parte de arquitetura, sendo uma maneira fácil de visualizar o resultado final.

Com a realidade aumentada, não é necessário gastar materiais nem mesmo para a confecção de maquetes, já que existem aplicativos especialmente desenvolvido para moldes em 3D virtuais.

Além disso, a realidade aumentada permite até mesmo simular algumas possibilidades com a maquete virtual. Por exemplo, em um projeto com blindagem de vidros, pode-se projetar algo para verificar a durabilidade do blindado.

Desse modo, a tecnologia permite a integração de informações visuais tridimensionais com ambientes e situações reais, aumentando a interação do usuário.

Realidade aumentada - Aquecenorte

5 aplicativos de realidade aumentada para arquitetos

Com o crescimento da tecnologia e da realidade aumentada, novos aplicativos surgem todos os dias para facilitar a vida dos arquitetos, bem como de demais empresas que se beneficiam do recurso.

Abaixo, confira alguns dos principais aplicativos de realidade aumentada para os trabalhos de arquitetura!

1 – Augment

O Augment está disponível para iOS e Android, sendo um dos aplicativos mais populares de realidade aumentada para arquitetos e designers.

Isso porque o programa permite visualizar modelos 3D de modo e em tempo real, no tamanho e ambiente verdadeiros. Até mesmo os detalhes podem ser incluídos no projeto! Por exemplo, um espaço comercial com botoeira de alarme de incêndio pode ser visto com precisão por meio do Augment.

O aplicativo é voltado não só para a arquitetura em si, mas também para a área de marketing e vendas, pois ele encanta os clientes.  Em algumas das versões pagas, o Augment oferece upload ilimitado de modelos 3D, com possibilidade de acesso mesmo offline.

2 – Aurasma

O Aurasma é o aplicativo líder do setor de arquitetura, bem como em demais segmentos que utilizam a realidade aumentada – inclusive, na produção de conteúdo jornalístico em audiovisual.

O programa transforma a maneira como pessoas interagem com objetos, como revistas e jornais, permitindo o compartilhamento de experiências. Dessa forma, cada item inanimado ganha uma “aura” – daí o nome, “Aurasma”.

O aplicativo também está disponível para sistemas Android e iOS.

3 – DAQRI 4D

O aplicativo DAQRI 4D vai além do 3D e insere o usuário em um ambiente multimidiático em 4D, com o uso de storytelling. Isto é, o programa utiliza narrativas fantásticas para compor a realidade aumentada e fornecer uma imersão em um determinado cenário.

Não só para a arquitetura, o DAQRI 4D também é usado em salas de aula para possibilitar maior imersão do aluno e ampliar os métodos de ensino-aprendizagem na escola. Assim como os anteriores, o aplicativo também está disponível para sistemas Android e iOS.

4 – SmartReality

O SmartReality é um aplicativo integrado à vários softwares 3D, incluindo o Revit.  Com ele, os arquitetos podem transformar plantas em 2D para modelos 3D interativos, possibilitando a visualização em tablets como também em fones de realidade virtual, como os óculos de Realidade Aumentada.

Além disso, o SmartReality permite o arquivamento dos modelos com o JBKnowledge. Dessa forma, é possível escanear plantas de casa e projetos arquitetônicos com a câmera do próprio programa, sincronizando-as com o modelo 3D correto.Uma versão do SmartReality é compatível com tablets, inclusive integrados com os aplicativos Project Tango do Google. 

Dessa maneira, o usuário pode caminhar por um piso plano enquanto um modelo virtual aparece ao redor dele. Este aplicativo está disponível para sistemas Android e iOS.

5 – Fuzor

Integrado ao software Revit, o Fuzor é um aplicativo que funciona em tempo real. Por essa razão, ele é recomendado para os projetos arquitetônicos, engenharia de sistemas mecânicos, elétricos e hidráulicos.

Ou seja, as possibilidades de uso do programa são inúmeras, ainda mais quando lidamos com a elaboração de projetos complexos. O Fuzor conta com várias ferramentas para a criação de moldes em realidade aumentada, além de contar com o diferencial de análise de interferência e iluminação. Assim, o usuário pode visualizar detalhes do projeto.

Além disso, o Fuzor também suporta arquivos de diversos softwares da construção civil, sendo um aplicativo extremamente prático e eficiente.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

A Internet das Coisas (Internet of Things – IoT) que parecia ser apenas roteiro cinematográfico já é uma realidade. Se antigamente era difícil conceber a ideia da hiperconectividade entre pessoas e máquinas, hoje em dia, nós estamos integrados a inúmeros dispositivos modernos, que são indispensáveis para o desenvolvimento de atividades simples e cotidianas.

Conforme apontou uma pesquisa da consultoria McKinsey, o impacto global da IoT na economia é de 4% a 11%, o que equivale a 3,9 a 11,1 trilhões de dólares. Só o Brasil, conta com mais de 2,5 milhões de dispositivos que transmitem dados para sistemas totalmente eletrônicos, segundo dados da Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações).

A expectativa é que o país tenha mais de 100 milhões de equipamentos conectados até 2025. A União Internacional das Telecomunicações (ITU) prevê que não demore muito para que mais da metade da população global esteja conectada à Internet das Coisas. Sendo assim, poderemos ver equipamentos altamente tecnológicos e integrados às plataformas online. Outro dado importante mostra que mais de 45% das pessoas pertencentes à Geração X vão adotar ecossistemas inteligentes, incluindo os dispositivos conectados e vestíveis. Para a geração Y, a porcentagem é maior: cerca de 50%.

No ramo da arquitetura, a IoT terá um enorme potencial, ainda mais em trabalhos como a modernização de elevadores RJ, em soluções altamente tecnológicas para esses instrumentos. Além disso, os arquitetos têm acesso à diferentes ferramentas de produção, tudo para um trabalho mais aprimorado.

Internet das Coisas - Aquecenorte

Explicando o que significa Internet das Coisas?

O conceito de Internet das Coisas surgiu em 1991, com a ideia de conectar diferentes objetos em várias webs. Na década de 1990, Kevin Ashton do MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts) criou o termo, referindo-se a uma revolução tecnológica em que é possível conectar diversos artigos cotidianos à rede mundial de computadores.

Por exemplo, ao fazer a instalação DPS dispositivo proteção contra surtos em um edifício, a Internet das Coisas permite conectar todo o sistema com redes online. Para que assim, os responsáveis tenham acesso aos dados em tempo real e possam agir com mais rapidez, em casos de ações ilegais. De forma simples, a Internet das Coisas consiste na conexão de objetos físicos, por meio de sensores inteligentes e softwares de transmissão de dados em rede.

Sendo possível assim, estabelecer a comunicação entre esses objetos com os usuários. O resultado disso é uma sociedade integrada, inteligente e responsiva. A TV e o videogame aparecem como um dos exemplos mais notórios de como os equipamentos podem se conectar à internet. Qualquer dispositivo pode se integrar à IoT, como é o caso das casas inteligentes, com eletrodomésticos e sistemas online em todo o imóvel.

Assim, mesmo os mais simples dispositivos podem receber sensores e softwares ligados à internet, para uma comunicação online e com mais recursos. Ademais, a Internet das Coisas pode ser usada para melhorar os trabalhos nos mais diferentes ramos. Por exemplo, uma empresa de manutenção de rede de esgoto pode ter diversos equipamentos instalados com softwares inteligentes, para um trabalho ininterrupto de verificação das tubulações de esgoto e com a mínima ocorrência de erros.

Entre outras vantagens da Internet das Coisas, destacam-se:

  • Maior facilidade para os trabalhos do dia a dia;
  • Melhor eficiência no gerenciamento e controle de sistemas;
  • Menor risco de acidentes, erros e retrabalhos;
  • Mais praticidade e conforto para os usuários.

Por conta disso, a IoT está cada vez mais presente em projetos residenciais, para as residências inteligentes e imóveis altamente tecnológicos.

Internet das Coisas - Aquecenorte

Como a Internet das Coisas impacta nos trabalhos de arquitetura

Imagine uma caixa de luz 4×2 inteligente, totalmente integrada a um sistema de gerenciamento online que controla o fornecimento de energia elétrica para o imóvel. Além de economizar com eletricidade, o equipamento também colabora para diminuir o consumo energético, sendo uma alternativa sustentável e rentável.

O exemplo a seguir é só um dos muitos cenários possíveis da Internet das Coisas aplicada à arquitetura. Isto é, mais do que oferecer um conforto a mais para os moradores, o sistema inteligente de IoT contribui para aprimorar o trabalho dos arquitetos e, ainda, oferecer inúmeros benefícios para o desenvolvimento da sociedade. Ademais, a Internet das Coisas também é uma maneira de oferecer segurança aos clientes.

Por exemplo, ao elaborar um projeto de envidraçamento de sacada preço diferenciado, os arquitetos podem usar a transmissão e compartilhamento de dados online para produzir algo virtualmente. E assim, apresentar o conceito para seus clientes e realizar as possíveis alterações, antes de começar a construção direta no imóvel.

Por conta disso, cada vez mais empresas e arquitetos se rendem às potencialidades da dessa tecnologia, como uma forma de modernizar as rotinas de trabalho, assegurar a confiança dos clientes e oferecer projetos altamente tecnológicos.

Internet das Coisas - Aquecenorte

A Internet das Coisas nas rotinas internas

Assim como outros empreendimentos de sucesso, as empresas do ramo de arquitetura têm uma rotina de trabalho, que segue uma direção e gestão específica. Desse modo, a Internet das Coisas pode ser uma aliada nos sistemas de organização do ambiente de trabalho, ainda mais quando se trabalha com uma grande quantidade de dados e projetos personalizados.

Por exemplo, as empresas de gerenciamento de obras podem contar com softwares que integram todos os funcionários, a partir de informações básicas, como o tipo de trabalho a ser realizado, o cronograma de projetos e a localidade (com geolocalização). Assim, a empresa sabe se todos os profissionais estão cumprindo corretamente suas atividades, quais os possíveis problemas e como oferecer soluções práticas.

Vale destacar que a IoT se tornou uma tecnologia disruptiva para as empresas modernas. Por conta disso, não vai demorar muito para que todos os empreendimentos tenham que repensar os processos de produção, as rotinas de trabalho e a estrutura do seu negócio para se adaptarem à essa nova realidade conectada.

Os estabelecimentos que já adotam a Internet das Coisas como parte da organização de trabalho se destacam perante à concorrência. Isso quer dizer que além de toda a praticidade, eficiência e inteligência na gestão organizacional, a IoT também gera competitividade e faz com que as empresas tenham reconhecimento no mercado.

Projetos inovadores em arquitetura com a IoT

O ramo de arquitetura se beneficia da Internet das Coisas com o recolhimento e interpretação de dados dos clientes, para o desenvolvimento de projetos altamente personalizados. Por exemplo, ao elaborar uma plataforma para cadeirante para um loja, um arquiteto pode ter acesso às principais informações sobre o seu cliente e, com isso, projetar uma plataforma única, em design moderno.

Internet das Coisas - Aquecenorte

Aplicação da Internet das Coisas nos próprios projetos

No exemplo citado anteriormente, o arquiteto pode pensar em uma plataforma de acessibilidade totalmente conectada, para que cada cadeirante possa comunicar ao equipamento suas necessidades. Ou então, imagine projetar uma caixa de inox totalmente programada para abertura somente por uma pessoa específica, mediante um controle de voz pelo celular.

Parece algo de ficção científica, mas com a Internet das Coisas, isso é possível! Não faltam exemplos quando falamos da IoT. Os aspiradores de pó inteligentes, programados para limpar a sujeira do chão, identificar desníveis e fazer uma limpeza totalmente personalizada, a partir de informações oferecidas pelo celular do usuário, já são equipamentos conhecidos no mercado, por exemplo.

Portanto, a lista de projetos inovadores em arquitetura com IoT só tende a aumentar. Logo mais, estaremos vivendo uma época em que todas as casas serão inteligentes e os moradores poderão controlar todo o imóvel somente com os smartphones.

Vale mesmo a pena tanta tecnologia para os arquitetos?

Houve um tempo em que não imaginávamos o que seria a internet. Hoje, é difícil encontrar pessoas que não tenham acesso à rede. O Brasil tem 70% da população conectada e essa porcentagem não para de crescer. O mesmo vale para a Internet das Coisas. A ampliação das tecnologias, incluindo dispositivos móveis, redes de telefonia móvel, sistemas de controle e equipamentos altamente modernos, será a chave para o futuro. Por conta disso, a IoT será difundida não só no setor de arquitetura, mas para todos os ramos da sociedade.

Logo mais, não vamos conseguir imaginar a vida sem objetos inteligentes, em uma integração entre homem, máquina e internet. No futuro, teremos trilhões de dispositivos conectados – e isso são só estimativas, o número pode ser bem maior! Ou seja, os carros, drones, eletrodomésticos, sistemas e servidores remotos de edifícios e casas vão poder detectar irregularidades estruturais, presença de vazamentos, pragas e outros problemas, avisando o morador por mensagem no celular.

A tecnologia dessa Internet está mudando a forma como enxergamos as máquinas, visto que elas não serão somente objetos para ajudar as atividades humanas, mas serão indispensáveis para a convivência em sociedade.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.