Como a Internet das Coisas pode influenciar no trabalho de arquitetos

A Internet das Coisas (Internet of Things – IoT) que parecia ser apenas roteiro cinematográfico já é uma realidade. Se antigamente era difícil conceber a ideia da hiperconectividade entre pessoas e máquinas, hoje em dia, nós estamos integrados a inúmeros dispositivos modernos, que são indispensáveis para o desenvolvimento de atividades simples e cotidianas.

Conforme apontou uma pesquisa da consultoria McKinsey, o impacto global da IoT na economia é de 4% a 11%, o que equivale a 3,9 a 11,1 trilhões de dólares. Só o Brasil, conta com mais de 2,5 milhões de dispositivos que transmitem dados para sistemas totalmente eletrônicos, segundo dados da Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações).

A expectativa é que o país tenha mais de 100 milhões de equipamentos conectados até 2025. A União Internacional das Telecomunicações (ITU) prevê que não demore muito para que mais da metade da população global esteja conectada à Internet das Coisas. Sendo assim, poderemos ver equipamentos altamente tecnológicos e integrados às plataformas online. Outro dado importante mostra que mais de 45% das pessoas pertencentes à Geração X vão adotar ecossistemas inteligentes, incluindo os dispositivos conectados e vestíveis. Para a geração Y, a porcentagem é maior: cerca de 50%.

No ramo da arquitetura, a IoT terá um enorme potencial, ainda mais em trabalhos como a modernização de elevadores RJ, em soluções altamente tecnológicas para esses instrumentos. Além disso, os arquitetos têm acesso à diferentes ferramentas de produção, tudo para um trabalho mais aprimorado.

Internet das Coisas - Aquecenorte

Explicando o que significa Internet das Coisas?

O conceito de Internet das Coisas surgiu em 1991, com a ideia de conectar diferentes objetos em várias webs. Na década de 1990, Kevin Ashton do MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts) criou o termo, referindo-se a uma revolução tecnológica em que é possível conectar diversos artigos cotidianos à rede mundial de computadores.

Por exemplo, ao fazer a instalação DPS dispositivo proteção contra surtos em um edifício, a Internet das Coisas permite conectar todo o sistema com redes online. Para que assim, os responsáveis tenham acesso aos dados em tempo real e possam agir com mais rapidez, em casos de ações ilegais. De forma simples, a Internet das Coisas consiste na conexão de objetos físicos, por meio de sensores inteligentes e softwares de transmissão de dados em rede.

Sendo possível assim, estabelecer a comunicação entre esses objetos com os usuários. O resultado disso é uma sociedade integrada, inteligente e responsiva. A TV e o videogame aparecem como um dos exemplos mais notórios de como os equipamentos podem se conectar à internet. Qualquer dispositivo pode se integrar à IoT, como é o caso das casas inteligentes, com eletrodomésticos e sistemas online em todo o imóvel.

Assim, mesmo os mais simples dispositivos podem receber sensores e softwares ligados à internet, para uma comunicação online e com mais recursos. Ademais, a Internet das Coisas pode ser usada para melhorar os trabalhos nos mais diferentes ramos. Por exemplo, uma empresa de manutenção de rede de esgoto pode ter diversos equipamentos instalados com softwares inteligentes, para um trabalho ininterrupto de verificação das tubulações de esgoto e com a mínima ocorrência de erros.

Entre outras vantagens da Internet das Coisas, destacam-se:

  • Maior facilidade para os trabalhos do dia a dia;
  • Melhor eficiência no gerenciamento e controle de sistemas;
  • Menor risco de acidentes, erros e retrabalhos;
  • Mais praticidade e conforto para os usuários.

Por conta disso, a IoT está cada vez mais presente em projetos residenciais, para as residências inteligentes e imóveis altamente tecnológicos.

Internet das Coisas - Aquecenorte

Como a Internet das Coisas impacta nos trabalhos de arquitetura

Imagine uma caixa de luz 4×2 inteligente, totalmente integrada a um sistema de gerenciamento online que controla o fornecimento de energia elétrica para o imóvel. Além de economizar com eletricidade, o equipamento também colabora para diminuir o consumo energético, sendo uma alternativa sustentável e rentável.

O exemplo a seguir é só um dos muitos cenários possíveis da Internet das Coisas aplicada à arquitetura. Isto é, mais do que oferecer um conforto a mais para os moradores, o sistema inteligente de IoT contribui para aprimorar o trabalho dos arquitetos e, ainda, oferecer inúmeros benefícios para o desenvolvimento da sociedade. Ademais, a Internet das Coisas também é uma maneira de oferecer segurança aos clientes.

Por exemplo, ao elaborar um projeto de envidraçamento de sacada preço diferenciado, os arquitetos podem usar a transmissão e compartilhamento de dados online para produzir algo virtualmente. E assim, apresentar o conceito para seus clientes e realizar as possíveis alterações, antes de começar a construção direta no imóvel.

Por conta disso, cada vez mais empresas e arquitetos se rendem às potencialidades da dessa tecnologia, como uma forma de modernizar as rotinas de trabalho, assegurar a confiança dos clientes e oferecer projetos altamente tecnológicos.

Internet das Coisas - Aquecenorte

A Internet das Coisas nas rotinas internas

Assim como outros empreendimentos de sucesso, as empresas do ramo de arquitetura têm uma rotina de trabalho, que segue uma direção e gestão específica. Desse modo, a Internet das Coisas pode ser uma aliada nos sistemas de organização do ambiente de trabalho, ainda mais quando se trabalha com uma grande quantidade de dados e projetos personalizados.

Por exemplo, as empresas de gerenciamento de obras podem contar com softwares que integram todos os funcionários, a partir de informações básicas, como o tipo de trabalho a ser realizado, o cronograma de projetos e a localidade (com geolocalização). Assim, a empresa sabe se todos os profissionais estão cumprindo corretamente suas atividades, quais os possíveis problemas e como oferecer soluções práticas.

Vale destacar que a IoT se tornou uma tecnologia disruptiva para as empresas modernas. Por conta disso, não vai demorar muito para que todos os empreendimentos tenham que repensar os processos de produção, as rotinas de trabalho e a estrutura do seu negócio para se adaptarem à essa nova realidade conectada.

Os estabelecimentos que já adotam a Internet das Coisas como parte da organização de trabalho se destacam perante à concorrência. Isso quer dizer que além de toda a praticidade, eficiência e inteligência na gestão organizacional, a IoT também gera competitividade e faz com que as empresas tenham reconhecimento no mercado.

Projetos inovadores em arquitetura com a IoT

O ramo de arquitetura se beneficia da Internet das Coisas com o recolhimento e interpretação de dados dos clientes, para o desenvolvimento de projetos altamente personalizados. Por exemplo, ao elaborar uma plataforma para cadeirante para um loja, um arquiteto pode ter acesso às principais informações sobre o seu cliente e, com isso, projetar uma plataforma única, em design moderno.

Internet das Coisas - Aquecenorte

Aplicação da Internet das Coisas nos próprios projetos

No exemplo citado anteriormente, o arquiteto pode pensar em uma plataforma de acessibilidade totalmente conectada, para que cada cadeirante possa comunicar ao equipamento suas necessidades. Ou então, imagine projetar uma caixa de inox totalmente programada para abertura somente por uma pessoa específica, mediante um controle de voz pelo celular.

Parece algo de ficção científica, mas com a Internet das Coisas, isso é possível! Não faltam exemplos quando falamos da IoT. Os aspiradores de pó inteligentes, programados para limpar a sujeira do chão, identificar desníveis e fazer uma limpeza totalmente personalizada, a partir de informações oferecidas pelo celular do usuário, já são equipamentos conhecidos no mercado, por exemplo.

Portanto, a lista de projetos inovadores em arquitetura com IoT só tende a aumentar. Logo mais, estaremos vivendo uma época em que todas as casas serão inteligentes e os moradores poderão controlar todo o imóvel somente com os smartphones.

Vale mesmo a pena tanta tecnologia para os arquitetos?

Houve um tempo em que não imaginávamos o que seria a internet. Hoje, é difícil encontrar pessoas que não tenham acesso à rede. O Brasil tem 70% da população conectada e essa porcentagem não para de crescer. O mesmo vale para a Internet das Coisas. A ampliação das tecnologias, incluindo dispositivos móveis, redes de telefonia móvel, sistemas de controle e equipamentos altamente modernos, será a chave para o futuro. Por conta disso, a IoT será difundida não só no setor de arquitetura, mas para todos os ramos da sociedade.

Logo mais, não vamos conseguir imaginar a vida sem objetos inteligentes, em uma integração entre homem, máquina e internet. No futuro, teremos trilhões de dispositivos conectados – e isso são só estimativas, o número pode ser bem maior! Ou seja, os carros, drones, eletrodomésticos, sistemas e servidores remotos de edifícios e casas vão poder detectar irregularidades estruturais, presença de vazamentos, pragas e outros problemas, avisando o morador por mensagem no celular.

A tecnologia dessa Internet está mudando a forma como enxergamos as máquinas, visto que elas não serão somente objetos para ajudar as atividades humanas, mas serão indispensáveis para a convivência em sociedade.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *